O jogo do STOP!

Eh malta, uma vez que já vos entreguei de bandeja a minha idade, no artigo, top 5 dos filmes dos 90’s, agora já posso tudo!

Assim sendo, tenho um pensamento sobre o jogo do STOP.

Aposto que já todos jogaram, em algum momento das vossas vidas.

Isto era jogo para separar namorados. Acabar com amizades de anos. Coisinha para terminar em tragédia, com sangue e tudo (vá, agora exagerei, na última), mas que era um jogo que tinha tudo para dar merda, lá isso, não podem negar! Certo?

Tudo muito bem, mas só até se agarrarem nas folhas e canetas.

Aqui já começava a coisa a descambar por dois motivos:

1. Escolher o que colocar nas colunas

A Anabela dizia nomes, países, cidades, cores, frutas e marcas.

Mas depois vinha o Armando (um bocadinho a pé, um bocadinho andando, ahaha, piada fácil e infantil) e dizia que países e cidades era muita geografia. Quando o que ele queria dizer era mesmo “eu nem a merda da capital do meu país sei, vou lá saber nomes de países com a letra U”.

Mas a Cristiana também tinha uma opinião e queria trocar as frutas por nomes de pessoas famosas, uma vez que ela passava o dia a ler a Super Pop e tinha muito mais hipoteses de ganhar assim.

E aparecia sempre o Hugo, quando já estava tudo, quase resolvido, a dizer que marcas era muito vago. O melhor mesmo era marcas de motas.

Aí, caralho Hugo, agora a esta hora.

E pronto, passados 45min, estava decidido o que colocar nas colunas.

2. O tempo que cada um demora a fazer o layout de início

Sim, porque o Carlos, bardajão como era, escrevia tudo corrido e nem uma linha a separar.

Mas era aqui que entrava a Cintia, “Oh Carlos, mas que merda é essa, assim, quando for para pontuar não se vai entender nada. Mete linhas nisso. Batoteiro”.

Depois havia sempre a Andreia que fazia linhas a régua e esquadro com canetas de cores.

E o Tó que no meio daquilo tudo, já estava a dizer em alto e bom som “A“.

E assim se perdiam mais 20min.

Mais 15min a decidir quem ia começar a dizer o alfabeto. Se era por idade, letra da inicial do nome ou pela ordem dos ponteiros do relógio.

E passados mais 20min estavamos a começar efetivamente o jogo.

Começavam os olhos raiados de sangue.

E só um aparte, quem ficava a dizer o alfabeto, bem que podia dizer a letra que lhe fosse mais conveniente, porque a dizer o alfabeto, cada um diz à velociade que quer, certo?

Primeira ronda. Check.

Letra B. Porque a Bruna gosta. É a inicial do nome dela. Só por isso, porque na verdade, quando disseram STOP, ela estava no H. Mas fodasse, e cores com H? Pois.

Terminada a ronda, começa a festa!

Júlio: Bruno, Brasil, Bola, Branco, Burro, Bimba e Lola.

Cláudia: Bruna, Brasil, Boneca, Beje, Baleia, B…

Bruna: Oh que merda Cláudia, não tinhas outro nome? Agora ficamos as duas com 5. Fosgaçe. Brasil, mais cinco. Banco, B…, Burro, mais cinco, e Benuron.

Carlos: Eh, cá para mim, beje não é cor. Se beje é cor, eu ponho bolor. Também é cor, queres ver? Eu sabia, esta merda das cores, não tem jeito nenhum.

Ana: Beje é cor sim. Eu voto no beje. Aliás adoro. Fica supé bem com tudo.

Carlos: Mas isto é um desfile de moda ou quê?

Julio: ‘Tás assim porque não sabes cor nenhuma sem ser branco. E levas cinco pontos como os outros.

E pronto. 45min a discutir sobre a cor beje (que na verdade podia ser sobre um país, marca ou fruta), e acaba tudo ao grito.

Na segunda ronda, exatamente o mesmo.

(Imagens retiradas do Dr. Google)

Há anos 90, anos 90, que saudades tuas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.